Sê bem-vindo andarilho!

Entre, sente-se e se permita iludir - a mente cansada - com meus conceitos chulos, minhas ideias tão minhas e um mundo de aglomerações.
Aqui apresento, expurgo e dou conceitos - nem sempre meus - que podem servir a qualquer um.
Leia, releia e tome muito cuidado: fora ser prolixo, sou o próprio sofismo em pessoa (use isso contra mim e assuma que me lê).
Aqui o luxo é o lixo com ego inflado.
Pense que há vinho e deguste, decupe, compartimente e minta para você mesmo.
Salut à boa perdição dos perdidos, os achados em si (bemol)!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Até que ponto?

Com o passar dos anos o BDSM Brasil consolidou-se como prática filosífica e atingiu o status de sociedade.
Por um lado tal feito foi ótimo, pois permitiu que membros do país todo confraternizasse ideias parentes, fomentasse a apresentação de pontos de vista e agrupasse seres iguais.
Mas por outro, toda sociedade precia de regras para sobreviver em comum acordo.
Se por um lado as regras eram o menos buscado em BDSM, por outro se mostravam necessárias para evitar os excessos.
Logo veio a expansão e com ela as castas de intelectuais, formadores de opinião e agentes de saúde pública *sorriso*.
A turma do "deixa disso" se mostrou presente, os repórteres (fofoqueiros? Sim, toda sociedade os tem e até certo ponto precisa deles, é fato!) logo se organizaram em rede e as notícias, ainda que nem sempre verídicas, se espalhavam com notória facilidade, os líderes também apareceram pleiteando cedro e requerendo status (leia-se tratamento) de Chefe de Estado, "os samaritanos" não podiam deixar de existir e se fizeram preserntes com maestria para acolher aqueles que precisavam de auxílio, ainda - como sociedade - não faltou a turma do "sempre foi assim". Aquelas pessoas que se intitulam antigas, "amiga pessoal" do próprio Marques de Sade e que afirmam, de pés juntos, que sempore foi assim ou assado.
Na época do estouro - ou seria expansão? - os sites eram muitos, as informações vastas e o desencontro de ideias algo absurdo.
Escreve bem? Tem facilidade para interpretar visões, posturas e formatar boas argumentações? Ótimo! Você está contratado para ser um âncora do BDSM Brasil. E toma de passar o dia todo em chats, finais de semana em PlayPartys e as noitesd consolando submissas insatisfeitas com "seus" Donos.

Nessa época eu já tinha o site, evitava externar opinião pessoal, aprensetava o que entendia como visão comum e tinha o único glossário da época. Ainda assim via aqui e acolá o meu site sendo usado como base de argumentação para ideias que eu entendia como distorcida ou mesmo sem parentesco algum com o que estava no site. Mas sociedade é isso, não? Cada um defende o seu acreditando que é para o bem de todos.

Hoje vejo um BDSM "mais igual" e muito mais consciente de que cada um faz o seu, à sua forma, ao seu jeito.
Uma sociedade é importante para prover a casca que protege o meio, as ideias iguais confortam aqueles que partilham dela e fazem com que uma loucura passe a ser sanidade diante de um maior número de adeptos.
Mas... (e eu não poderia sair daqui sem deixar as típicas perguntinhas de Szir GanoN *sorriso*) Mas... Até que ponto eu, como adepto, devo algo a essa sociedade que, supostamente, me abastece, acolhe e me possibilita ser e estar entre iguais?
Mas... Até que ponto eu, como adepto, devo prestações de contas a um meio que não partilha, compartilha e sociabiliza as ideias que eu acreditop serem reais em meu mundo totalmente surreal?

Até tenho as respostas, mas deixarei as perguntas.
Boa semana!

(Szir GanoN escreve às quartas, quando quarta-feira é um bom dia para escrever. Quando não éw, escreve qualquer dia e acredita que a sociedade entenderá que aquele dia é quarta)

Fonte da imagem: http://www.inprnt.com/gallery/kwonger/hyde_exposed/

2 comentários:

[{mila}]MAGNO disse...

Que bom que voltou a postar toda quarta Senhor, eu já estava com saudades.

saudações

.ana. disse...

Szir GanoN

Como é bom ler coisas lúcidas!
Bem, aprendi uma coisa: meio é ponte não é morada. Passa-se.

E lembrando o poeta Mario Quintana:
"Todos estes que ai estão, atravancando o meu caminho.Eles passarão....Eu passarinho!"

Até que ponto as pontes são importantes para os pássaros? Acho que não precisam delas.

mil beijos
ana.mmk